Archive for the ‘Design gráfico’ Category

Making of / processo (7): Centro Cultural
31 de dezembro de 2016

Desta vez trago o processo de desenvolvimento de peça gráfica/de comunicação visual, de Centro Cultural no RJ.
As peças gráficas desenvolvidas são adaptadas para serem veiculadas em várias mídias – cartaz/convite impresso, mídias sociais, etc.

A peça gráfica finalizada é esta:
mk-of-montagem1b

(mais…)

Making of / processo (4) – imagem digital
21 de setembro de 2016

Wallace Vianna é designer gráfico.

Estou postando aqui o making of de um trabalho do designer Fagner Carvalho, para a Contém administradora de seguros, uma postagem para rede social (Facebook) da empresa.

Este Making Of (Processo) ilustra bem como a construção de uma imagem passa pela reconstrução de imagens de referência (no caso, de banco de imagens), remetendo ao que comentei em post anterior, que o trabalho do designer não é o de artista plástico frente a tela de pintura (daí o uso de referências prontas) mas envolve trabalho de criação à partir destas referências. Em resumo, nem sempre o designer irá tirar fotos originais para depois trabalhar, mas, em qualquer caso, a pós-produção das imagens é que será, se não o maior, um dos maiores trabalhos do designer.

mk-of-contem-face-1
Imagem original.

mk-of-contem-face-2
Imagem com cor editada para amarelo.

(mais…)

Making of / processo (3) – Ilustrações para livro infanto-juvenil
17 de março de 2016

sidalio-carla-souza-lapis-tinta-cor O projeto
O projeto que me chegou de cara me atraiu: ilustrar um livro cujo tema é a inclusão social, com pessoas portadoras de necessidades especiais, como a personagem-título (surdo-mudo) ou pessoas com algum tipo de deficiência (pessoas que usam óculos, bengalas, etc) sem esquecer ainda pessoas da terceira idade, obesos, etc. A ideia é mostrar pessoas que normalmente são excluídas da nossa literatura infanto-juvenil e estão presentes na sociedade.

Pré-projeto
Inicialmente foi definido o estilo de desenho a partir de exemplos de ilustração do mercado, evitando um erro comum – o artista perder tempo adivinhando o que o cliente deseja, trabalhando a partir de seu estilo pessoal. Trabalhar assim permite que o desenho se aproxime mais e rapidamente do que o cliente deseja/imagina, pois raramente o cliente procura o ilustrador para fazer “trabalho autoral” (aquilo que o ilustrador gosta de fazer). Foi feito a seguir um exemplo de ilustração para ser aprovado junto a cliente e à editora/gráfico, que forneceu as especificações de como a arte deveria ser entregue (dimensões, marca/área de corte).

Desenvolvimento de projeto
Os rascunhos foram feitos em miniaturas, para dar agilidade na produção, e ampliados digitalmente para fazer os traços pretos. carla-ilustra-rascunhos Optei por fazer o traço dos desenhos à mão, em papel não-revestido, a fim de que o traço não ficasse muito parecido com desenhos da Disney (nada contra, apenas procuro fazer algo diferente a cada trabalho). Os traços foram escaneados em preto-e-branco, e depois convertidos em cor, com transparência. Isso permite ter traços pretos sem anti-aliasing/anti-serrilhamento da cor branca do papel original. A colorização foi feita em vetor, o que permite maior flexibilidade para fazer alterações. Segui soluções visuais do estilo de desenho aprovado (p.ex., gradientes de cor escalonada, com poucos gradientes contínuos), o que foi um aprendizado, ao sair de meu estilo pessoal de ilustrar.  Aliás, “sair da caixa” e trabalhar com estilo diferente do meu, é um exercício fundamental.

Cronograma de trabalho

infografico-carla-ilustra-2
O trabalho seguiu o seguinte cronograma: cada etapa do desenvolvimento passa por processo de aprovação junto a cliente, antes de ser finalizado: os rascunhos a lápis, o desenho em forma de traços pretos, a colorização inicial (com cores planas). Isso evita retrabalho de desenho e cor ao mesmo tempo. Após aprovação das cores planas, o desenho é finalizado com sobreposição de cores para dar profundidade e iluminação.

Contrato de serviço
Um pequeno contrato de serviços digital foi feito entre mim e a cliente, o que permite refazer/incluir termos com agilidade, além de registrar em um único lugar as conversas entre ambos (comprovantes de pagamento das etapas, datas de aprovação etc). Uma questão comum no mercado (assim como sobre o que é ou não entregue ao final do trabalho), são as alterações no combinado: se a etapa foi aprovada (exemplo, desenho a traço), será refeita mediante pagamento de adicional. Pode parecer coisa simples, mas vejo muita gente não sabe lidar com essa questão, seja pela nossa cultura do “jeitinho” (onde mais vale o relacionamento interpessoal do que o combinado) seja por imaturidade profissional. Pode-se ter um bom relacionamento com os clientes sem perder de vista o cumprimento ao combinado. E isso não quer dizer engessamento das relações: pode-se mudar o combinado, contanto que ambos os lados cheguem a um acordo bom para ambos os lados, ao ajustar o contrato de serviços.

Conclusões
O projeto deve estar concluído neste primeiro semestre de 2016, e parte dele pode ser visto no site ilustra.org: http://www.ilustra.org/users/wallyvianna Existem detalhes de produção, mas que caberiam mais num curso prático ou em outro texto específico sobre este tema.

MarketDrops
17 de dezembro de 2015

Tipos & tipografia

Um haikai tipográfico interessante de Rodolfo Capeto, designer, direto do Clube dos Tipos, no FaceBook:

haikai-tipografico

(mais…)

Making of / Processo (2): Media Guide CBF copa 2014
18 de novembro de 2014

media guide olhonu design

Imagem: Renata Leite, escritório Olho Nu Design; FaceBook, 29/10/2014

Wallace Vianna é designer e mestre em design, no Rio de Janeiro

O escritório OlhoNu Design desenvolveu o Media Gude (Guia de Mídia, com informações sobre uso de marcas e material promocional da CBF)da Copa do Mundo 2014, uma caixa com lâminas e um livreto informativos.

O processo foi interessante pois ilustra como se produz um projeto de design gráfico, desmistificando certos mitos em torno deste tema.

A pesquisa de imagens foi feita no site DepositPhotos.com, escolhido tanto pelo perfil do trabalho como em relação ao custo-benefício. Uma vez definidas as imagens, desenvolveu-se propostas de layouts a partir delas.

depositphotos_11296152-Man-soccer-football-player-flying-kicking

Fonte: DepositPhotos.com

A capa do projeto (caixa em cartão triplex com fecho por cordão decorado) foi desenvolvida em Photoshop, e a faca de corte no Adobe Illustrator

depositphotos_10550754-Green-soccer-field

Fonte: DepositPhotos.com

O miolo (lâminas e livreto) foram diagramados no Adobe Indesign.  O recorte de imagens difíceis (fios de cabelo e assemelhados) foi feito com o plug-in Corel KnockOut, mais indicado tanto pela qualidade do resultado como pela agilidade na produção.

Amistoso Brasil 6x0 Austráliaphotoshop-tecnica-recorte-cabelo-2
Fonte: WallyVianna tutoriais

 Muitas vezes as pessoas imaginam que o trabalho de criação do designer é como o do artista plástico, que parte de uma tela vazia para compor o grafismo desejado. A utilização do banco de imagens como ferramenta no processo criativo além de reduzir custos no quesito produção de ilustração, reduz o cronograma de desenvolvimento do projeto.

E para os que argumentam “qualquer pessoa faz um trabalho de comunicação visual com banco de imagens”, experimente dar um PowerPoint (ferramenta) para a secretária (profissional) de sua empresa produzir uma boa apresentação a partir de imagens colhidas no Google. Por mais que a profissional tenha bom-gosto e algum talento para a coisa, não vai conseguir comunicar com as imagens conceitos como elegância, consistência de cor, (as)simetria ou equilíbrio, relacionando forma com função.

Como disse em outro post, o papel da ilustração (design?) é comunicar (uma história) e não decorar (o texto).

Reflexões profissionais – 2013:1
12 de janeiro de 2013

Wallace Vianna é designer de mídia impressa (designer gráfico) e internet (webdesigner) no Rio de Janeiro, RJ.

O design é uma profissão de extremos. Ou faz coisas que realmente melhoram a vida das pessoas ou só acrescenta estética (que por sua vez tem suas razões de ser, enquanto não atrapalha a vida de ninguém).

O design erra quando faz textos como esses:

Iniciar parágrafos com letra minúscula não acrescenta nenhum valor ou informação à regra que diz que início de parágrafos devem ser em letra maiúscula. Dispensável.

lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi reverterum lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi reverterum lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi reverterum lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi reverterum.
lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi reverterum lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi reverterum lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi reverterum lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi reverterum

Colocar recuos da segunda linha em diante (como faz o PowerPoint) em texto corrido também não traz nenhum ganho real na leitura ou organização de textos longos. É o  famoso trocar seis por meia dúzia.

Lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi reverterum lorem

consequiat facilisi reverterum lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi
reverterum lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi reverterum.
Lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi reverterum lorem ipsum dolor amet
consequiat facilisi reverterum lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi
reverterum lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi reverterum.

Textos na cor cinza é um desrespeito com pessoas portadoras de deficiência visual ou da terceira idade, com”vista cansada”. Se a informação é um detalhe que não precisa ser lido o tempo todo (como os textos dentro de campos de formulário,o famoso “escreva aqui”) tudo bem, fora isso é uma inovação que deveria ser abolida do design.

Lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi reverterum lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi reverterum lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi reverterum lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi reverterum.
Lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi reverterum lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi reverterum lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi reverterum lorem ipsum dolor amet consequiat facilisi reverterum

 

Aceito melhor textos que não possuem ponto final ao término dos parágrafos do que textos com as “inovações” acima.

O design acerta quando

  • Oferece opções para aperfeiçoar a leitura de páginas de internet (aumentar ou reduzir o texto, mudar o contraste entre e cor da página e cor  do texto).
  • Permite que a página de internet se ajuste ao tamanho do monitor, automaticamente.
  • Oferece o mesmo conteúdo na internet em mais de uma mídia (vídeo com legenda, imagem, texto, áudio), respeitando o usuário que acessa a internet em locais públicos, com poucos recursos de navegação.
  • Disponibiliza conteúdo independente da tecnologia;  a página deve poder ser lida mesmo se não carregar o CSS ou Javascript, e mesmo que o computador não tenha o Adobe Acrobat Reader, acesso ao YouTube, FaceBook ou Flash Player atualizado.

 

Palestra Suíte Adobe CS 6
21 de junho de 2012

Palestrante: Carlos Willian
E-mail: carlos.william@woc.com.br cwmi@ovi.com
Local: WOC, Downtown, Barra da Tijuca
Data e horário: 18 de maio de 2012, 6ª feira, 14h

Visão geral

O conceito por trás da suíte Adobe CS6 é oferecer programas instaláveis através da internet, eliminando as mídias tradicionais CD/DVD/Blu-ray. Os programas se baixam, instalam e atualizam através de uma licença de uso mínima de um ano. A Adobe disponibiliza programa de compra de software por suíte, com atualização automática online. Por um lado isso reduz custos de distribuição, por outro não dá ao interessado chance de escolher em qual mídia deseja adquirir o produto. O principal motivo com certeza é tentar reduzir a pirataria com um controle online dos programas vendidos, em tempo real, via internet.

Agora os programas voltados para web e impresso estão disponíveis em uma única suíte (chamada Creative Cloud); paga-se mais do que no software em mídia, mas tem-se softwares adicionais para tablet (touch), que são os softwares tradicionais da Adobe com recursos simplificados, com atualização.
Exemplos desses programas simplificados são o Adobe Muse (Editor de HTML) e Adobe Edge (flash simplificado que salva animação em HTML 5).

O Creative Cloud além de ser um serviço de assinatura e download de software é um serviço de armazenagem de arquivos online, até 20 gb.

De novidades, o Sistema Operacional da Google, o Android 4 agora suporta Flash. Um golpe duro para as tablets da Apple que não suportam Flash. já que dispositivos de mão com baterias de longa duração já é realidade, vide exposição Suécia Inovadora, no CCBB RJ (*). Para quem não acompanhou na mídia, a maioria dos aparelhos “de mão” que acessam a internet não carregam Flash direito, pois não tem bateria com carga suficiente, gerando aquecimento e desgaste dos aparelhos.

A Suíte CS6  ao contrário da versão CS5 traz pequenas mudanças para ajudar no dia-a-dia (um pedido antigo dos usuários da adobe).

O Illustrator e Photoshop fazem uso de recursos de hardware dos processadores de placa de vídeo e placa-mãe. Atualizar software de ambos processadores é algo desejável para melhor desempenho dos aplicativos Adobe. O uso da placa de vídeo (hardware) agilizou o uso das ferramentas pesadas como 3D ou pattern/padrões vetoriais.
Ambos trazem interface nova (escura), ao contrário dos demais programas das “famílias” web e gráfica.

O Photoshop CS6

Recursos apresentados:

  • Pincéis com tamanho até 15 mil pixels,
  • Recursos antigos na suíte MS Office (Word Excel e Cia): o PS CS6 avisa quando uma mesma imagem é aberta por duas pessoas, e disponibiliza configuração de salvamento a cada “x” minutos (Adobe se rendendo a realidade da plataforma PC?).
  • O recurso Content-Aware (Conteúdo Sensível) com mais opções: ao selecionar e remover a imagem de uma área, o faz com fundo recortado/transparente, preenchendo a área que ficaria vazia.
  • Ferramenta de recorte ao selecionar já enquadra a imagem toda; você pode mover e girar a imagem dentro do recorte.
  • Painel de camadas possui filtro, permitindo visualizar apenas algumas camadas por nome, tipo, etc.
  • O menu 3D permite aplicar texturas e sombra em 3D, em textos e imagens, como o Illustrator já fazia há algum tempo.
  • O painel Bridge agora se chama Mini Bridge, modificado agora em forma de painel horizontal, se incorporou melhor a interface do PS.
  • A edição de vídeo inclui agora áudio. Pode-se fazer corte de clipes. Filtros de 3D e vídeo podem ser usados no PS melhor agora.
  • PS CS6 tem filtros que imitam os pincéis do Corel Painter, além de seleções especializadas com a precisão (mas não com a diversidade) do Corel Knockout.

O Illustrator CS6

traz como novidades:

  • linhas de contorno com gradiente;
  • a vetorização (auto trace) está melhorada;
  • o recurso de preenchimento automático por objeto, área (ex.: preencher todos os objetos com cor amarela);
  • a aplicação de padrões vetoriais de modo interativo (como no Flash cs4 em diante).

O Indesign (IND) CS6

  • agora faz aplicativos para dispositivos móveis (Apps). O Quarkxpress é melhor que o IND para gerar apicativos para dispositivos móveis; p.ex., o Indesign usa diversos novos painéis para conteúdo interativo, o Quarkxpress, em comparação, um painel só… O QuarkXpress gera Apps de modo mais rápido que o IND.
  • Os aplicativos  do Indesign são arquivos com extensão .ZAVE.
  • Bug desta versão do IND CS6: espaço acima do parágrafo não funciona se criar estilos de parágrafo (esse bug não existe na versão 5.5).
  • O IND CS6 possui “layout líquido”: permitindo mudar o tamanho e orientação da página de modo interativo, arrastando e soltando a borda da página (com as ferramementas Page tool e Gap tool); assim pode-se definir que objetos dentro da página (ex: caixa de texto) fiquem sempre com margem igual para todos os lados, independente do layout (vertical ou horizontal) ou rolagem de tela.
  • O IND CS6 possui um painel chamado Content placer, ferramenta para inserção de conteúdo vinculado (biblioteca de símbolos) dentro do IND. Esse conteúdo é voltado para aplicativos móveis ou não.

O palestrante observou que o sucesso do software está em seguir os líderes: a Macromedia seguia os atalhos de teclado da Adobe, como faz a Quark. A Corel não segue, daí estar correndo atrás do prejuízo, investindo em design de interface, p. ex…

QuarkXpress

O QuarkXpress cria projetos de publicação, e ao exportar gera arquivos para mídias diferentes, já ajustados (orientação vertical ou horizontal; layout responsivo/auto ajustável a tela ou fixo, etc). Recursos interessantes:

  • Alterações que se faz na diagramação de um projeto (mídia impressa, p.ex.) se refletem nos demais projetos (webdesign, aplicativos móveis, etc).
  • O Quark mantém os recursos (camadas, transparência) do Photoshop.
  • Há plugin do QuarkXpress para converter arquivos do Indesign para Quark e gerar apps para tablets.
  • A licença de um Quark pode ser usada em duas máquinas.
  • A Appstudio Preview da Quark é um visualizador gratuito de apps.
  • Quarkxpress 9 possui o Xstudio, aplicativo de desenvolvimento para publicação digital.

O palestrante não deixou muito claro, mas parece que a WOC possui curso de publicação digital com Indesign e QuarkXpress, que já vem sido ministrado em empresas.

A WOC poderia oferecer palestra sobre aplicativos Adobe Touch, ou pequenos workshops com uso deste software.

Enfim, foi uma palestra muito boa, abrangente, mesmo estendendo além do horário programado, por conta das perguntas dos participantes.

Notas:

(*) Suécia Inovadora – A exposição apresentada pela Embaixada da Suécia aborda 20 problemas enfrentados pela sociedade e como a inovação está sendo aplicada para enfrentar esses problemas | Até 8 de julho de 2012.
Fonte: http://www.bb.com.br/portalbb/page501,128,10154,0,0,1,1.bb?codigoMenu=9894&codigoMenu=9890